Blog Visão Geral - Você bem informado!

Zika manipula sistema imunológico de grávidas

A gravidez é um momento especial na vida de uma mulher, e não apenas do ponto de vista emocional, com a perspectiva da maternidade. Neste período, seu corpo também passa por diversas modificações biológicas. Entre elas está uma diminuição da atividade de seu sistema imunológico para evitar que ele ataque o feto em desenvolvimento, especialmente nos dois primeiros trimestres da gestação. Isso, no entanto, a deixa mais vulnerável a infecções. E é justamente aproveitando esta vulnerabilidade que o vírus da zika suprime ainda mais o funcionamento do sistema imunológico das grávidas de um modo parecido com que o HIV, vírus causador da Aids, faz para se multiplicar e atingir o bebê, mostra pesquisa publicada ontem no periódico científico “Nature Microbiology”.

No estudo, cientistas liderados por Jae Jung, professor do Departamento de Microbiologia Molecular e Imunologia da Universidade do Sul da Califórnia, nos EUA, primeiro procuraram determinar como as diferentes linhagens do vírus da zika, africana e asiática, se comportavam no sangue de pessoas saudáveis. Assim, eles infectaram amostras retiradas de homens e mulheres, grávidas ou não, com entre 18 e 39 anos separadamente com antigos vírus africanos e versões asiáticas mais recentes, estas últimas associadas à epidemia que atingiu diversos países das Américas, o Brasil inclusive, nos últimos anos e que foram ligadas a casos de microcefalia e outras más-formações congênitas em bebês nascidos de mães que tiveram a doença durante a gravidez.

O experimento verificou que tantos os vírus africanos quanto os asiáticos atacam preferencialmente um tipo de célula do sistema imunológico conhecido como monócito CD14+. Mas enquanto as linhagens africanas induzem estas células a se transformarem principalmente nos chamados macrófagos M1, outro tipo de célula de defesa do organismo ligada a processos inflamatórios, os vírus asiáticos levaram estas células a se multiplicarem e diferenciarem em macrófagos M2, com ação imunossupressora. Isto porque estas células liberam no sangue substâncias conhecidas como citocinas, que sinalizam ao organismo que a infecção estaria debelada e é hora de se concentrar na reparação dos danos, diminuindo a atividade do sistema imunológico.

Segundo os cientistas, enquanto mulheres grávidas já têm níveis maiores de macrófagos M2 no sangue, cerca de 4% do total, exatamente para evitar que o sistema imunológico ataque o feto, esta proporção cresceu para 10% nas amostras de sangue infectadas com vírus africanos, e disparou para 70% nas que receberam as versões asiáticas do zika. E com as reações do sistema imunológico das grávidas ainda mais suprimidas, estas linhagens do vírus da zika conseguem se multiplicar mais e permanecer por mais tempo no organismo das mulheres doentes, atravessando a barreira da placenta para atacar os fetos.

— As mulheres grávidas são mais suscetíveis ao vírus da zika porque a gravidez já suprime naturalmente o sistema imunológico da mulher para que seu corpo não rejeite o feto, que é essencialmente um corpo estranho — resume Jung. — Nosso estudo mostra que as mulheres grávidas são mais suscetíveis à imunossupressão, e o vírus da zika explora esta vulnerabilidade para infectá-las e se replicar.

Diante destes resultados, os cientistas resolveram comparar seus achados com o sangue de 30 mulheres comprovadamente infectadas pelo vírus da zika durante a gravidez — dez em cada trimestre —, além de amostras de outras 15 grávidas que não foram atingidas pela doença, sendo cinco de cada trimestre. As análises mostraram que as mulheres infectadas apresentavam uma atividade anormalmente alta dos genes ADAMTS9 e FN1. O primeiro já foi associado a baixo peso nos recém-nascidos e partos longos e complicados, enquanto o segundo foi ligado a problemas no útero que levam ao desenvolvimento de bebês incomumente pequenos e pré-eclâmpsia, isto é, elevação aguda e perigosa da pressão sanguínea da mãe.

— Embora a microcefalia tenha recebido muita atenção, o problema mais comum (provocado pela infecção pelo vírus da zika na gravidez) é o desenvolvimento anormal do cérebro e a formação de acumulações de cálcio no cérebro dos recém-nascidos — destaca Jolin Suan-Sin Foo, pesquisadora do laboratório de Jung e primeira autora do artigo de ontem na “Nature Microbiology”. — Essas anomalias provocam danos cerebrais e atrasos no desenvolvimento dos bebê mesmo que eles tenham nascido com cabeças de tamanho normal.

Momento para desenvolver arsenal

Chefe do Laboratório de Virologia Molecular do Instituto de Biologia da UFRJ, Amilcar Tanuri considerou o estudo “muito importante” por mostrar como as diferentes linhagens do vírus da zika provocam reações díspares do sistema imunológico, o que ajuda a explicar porquê a cepa asiática se tornou epidêmica. Além disso, a revelação de como o vírus “dribla” as defesas do organismo deverá ter impacto nas pesquisas e desenvolvimento de vacinas e tratamentos contra a doença.

— Qualquer vírus que possa manipular o sistema imunológico é mais preocupante, tanto do ponto de vista epidemiológico quanto no desenvolvimento de vacinas e tratamentos — diz. — Este artigo mostra que o vírus da zika de fato tem esta capacidade, o que serve como alerta de que precisamos acelerar a construção de um arsenal contra ele. Esta relativa “calmaria” após o fim do pior da epidemia é a hora para a gente desenvolver estas armas, pois o vírus ainda está circulando por aí e pode voltar a qualquer momento.

De acordo com Tanuri, uma das opções a ser levada adiante é a criação de remédios que diminuam a carga viral do zika no organismo, nos moldes dos usados nos coquetéis contra o HIV, de modo a evitar que o vírus atinja os fetos. Já com relação à vacina, o próprio líder da pesquisa, Jae Jung, lembra que todas alternativas em testes até agora não incluem grávidas em seus ensaios clínicos devido aos riscos do vírus para o bebê. Segundo ele, no entanto, esta é a população que mais pode se beneficiar do desenvolvimento do imunizante, o que faz com que seja necessária a avaliação de sua eficácia também nelas, já que a atividade de seu sistema imunológico é diferente.

— As vacinas em desenvolvimento para o vírus da zika parecem ser altamente eficazes, mas elas estão sendo testadas em mulheres que não estão grávidas, que têm uma química corporal diferente das mulheres grávidas — justifica. — É factível que a dosagem recomendada da vacina, embora eficaz para mulheres não grávidas, não seja potente suficiente para as mulheres grávidas pois seus corpos são mais tolerantes aos vírus.

Categoria: Notícia Geral